Entenda por que os jovens do Japão não estão fazendo mais sexo | Tudo Para Homens

Entenda por que os jovens do Japão não estão fazendo mais sexo

japoneses-sexo

Muitos japoneses, com menos de 40 anos de idade, parecem estar perdendo o interesse nos relacionamentos convencionais. De acordo com uma reportagem publicada pelo jornal britânico “The Guardian”, a mídia do Japão tem tratado o fenômeno como a “Síndrome do Celibato”.

Para o governo japonês, essa síndrome pode significar uma catástrofe iminente. O Japão já tem uma das menores taxas de natalidade do mundo, e a atual população de 126 milhões de pessoas – que vem diminuindo gradativamente nos últimos dez anos – pode ser reduzida em 30% até 2060, segundo projeções feitas no país.

Milhões de japoneses não estão sequer namorando e o número de pessoas solteiras atingiu seu recorde. Uma pesquisa realizada em 2011 constatou que 61% dos homens e 49% das mulheres com idade entre 18 e 34 anos não mantinham qualquer tipo de relação romântica com outra pessoa. Outra pesquisa mostrou que um terço das pessoas com menos de 30 anos nunca havia tipo uma experiência amorosa na vida.

Dados oficiais mostram, ainda, que o número de bebês nascidos no Japão em 2012 é o menor de que se tem registro. Além disso, com o aumento da população de idosos, as vendas de fraldas geriátricas ultrapassaram as de fraldas para bebês pela primeira vez em 2012. Para Kunio Kitamura, da Associação de Planejamento Familiar, a crise demográfica é tão grave que o Japão “pode eventualmente acabar em extinção”.

Nesse cenário, surgiu, então, o profissional que trabalha como conselheiro de sexo e relacionamento, a fim de tentar curar a chamada “síndrome do celibato”. Ai Aoyama, 52 – que cerca de 15 anos atrás ganhou a vida como dominatrix profisisonal – é uma dessas conselheiras. Ela diz que, hoje, seu trabalho é muito mais desafiador.

Ai-Aoyama Ai Aoyama e um dos seus clientes. (Foto: Eric Rechsteiner/Panos Picture)

“Recebo mais homens, mas a presença das mulheres está aumentando”, disse Aoyama, que trabalha em Tóquio. “Eu uso terapias como ioga e hipnose para relaxá-los e ajudá-los a entender o modo como o corpo do ser humano real funciona”, disse ela, que às vezes – por uma taxa extra – pode ficar nua para seus clientes do sexo masculino, a fim de guiá-los fisicamente em torno da forma feminina. “Mas sem absolutamente qualquer relação sexual”, afirma. Como exemplo, ela cita um cliente de 30 anos, virgem, que só fica excitado quando vê robôs femininos em games, algo semelhante àqueles da série Power Rangers.

Aoyama afirma que, além do sexo casual, vê o crescimento da procura por pornografia online e “namoradas virtuais”. Ou então, opina, estão substituindo o sexo por outras formas de relaxamento e diversão.

A pressão para se conformar ao modelo de família anacrônico do Japão – marido assalariado que trabalha 20 horas por dia e mulher dona de casa – permanece forte, e talvez essa seja uma das explicações para o fenômeno do celibato. Ironicamente, o sistema que produziu papéis conjugais segregados também criou o ambiente ideal para aqueles que querem ficar só, sem qualquer incômodo, como costumam falar. “As pessoas não sabem para onde ir. Elas vêm até mim porque pensam que, por querer algo diferente, há algo de errado com elas”, conta Aoyama.

Família X Trabalho

Embora as mulheres japonesas sejam cada vez mais independentes e ambiciosas, no mundo corporativo japonês é quase impossível que a mulher consiga combinar carreira e família. Assim, as mulheres japonesas hoje encaram o casamento como o “túmulo” da carreiras conquistada – cerca de 70% das mulheres japonesas deixam seus empregos depois de seu primeiro filho, e o Fórum Econômico Mundial classifica o Japão como um dos piores países do mundo para a igualdade de gênero no trabalho.

Eri Tomita, 32, trabalha no departamento de recursos humanos de um banco francês. Fluente no idioma francês e com dois diplomas universitários, ela evita relacionamentos românticos para poder se concentrar no trabalho. “Um namorado me pediu em casamento há três anos, e eu recusei quando percebi que se preocupava mais com o meu trabalho. Depois disso, perdi o interesse em namoro.” Tomita diz ainda que às vezes tem “uma noite só” com homens que conhece em bares, mas afirma que sexo não é uma prioridade para ela.

Mas esse modelo de sociedade também tem afetado os homens. Em meio à recessão e à crise dos salários, os homens têm sentido a pressão da responsabilidade de sustentar uma família. Satoru Kishino, 31, pertence a uma tribo de homens com menos de 40 anos que estão envolvidos em uma espécie de rebelião passiva contra masculinidade tradicional japonesa.Para eles, sustentar mulher e família como guerreiros é algo fora da realidade.

“É muito preocupante. Eu não ganho um salário enorme e não quero essa responsabilidade do casamento”, diz Kishino, que se define como “um homem heterossexual para quem relacionamentos e sexo não são importantes”.

Satoru Kishino Satoru Kishino (Foto: Eric Rechsteiner/Panos Pictures)

Futuro

O Japão está oferecendo uma visão do futuro de todos nós? Muitas das mudanças constatadas lá vem ocorrendo em outros países avançados também: no outro lado urbano da Ásia, na Europa e na América as pessoas estão se casando mais tarde, taxas de natalidade têm caído e famílias de uma pessoa só estão em ascensão. No entanto, para o demógrafo Nicholas Eberstadt, é um conjunto de fatores que caba acelerando essa tendências no Japão: falta de autoridade religiosa que pregue o casamento e a família, o alto custo de vida e a precária geografia do país, localizado em zona com frequentes abalos sísmicos, o que gera sentimentos de inutilidade.

“Aos poucos, mas inexoravelmente, o Japão evolui para um tipo de sociedade cujos contornos só foram contemplados na ficção científica”, escreveu Eberstadt no ano passado.

Voltando à ex-dominatrix Ai Aoyama, ela se diz determinada a educar seus clientes sobre o valor daquilo que chama de “pele a pele”, “coração a coração”. “Não é saudável que as pessoas sejam tão desconectados umas das outras fisicamente”, diz. “Sexo com outra pessoa é uma necessidade humana que produz sensação de bem estar e ajuda as pessoas a encarar melhor a vida cotidiana.”

Oremos para que essa síndrome não chegue no Brasil.


Guilherme Cury1831 Posts

30 anos, blogueiro, publicitário e músico. Formado em Propaganda & MKT, é blogueiro há mais de 10 anos. Atualmente trabalha com conteúdo para internet e se aventura no mundo musical.

2 Comentários

  • Guilherme Reply

    24 de outubro de 2013 at 21:30

    Podia citar a fonte. Muito feio kibar assim sem mais nem menos.

    • Guilherme Cury Reply

      24 de outubro de 2013 at 22:06

      GUilherme, tudo bem? Nós citamos que é uma matéria do The Guardian. É um release internacional que eles enviaram. Você vai ver que todos portais postaram quase idênticos.

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register