Calma aí, precisamos estar realmente 100% conectados? | Tudo Para Homens

Calma aí, precisamos estar realmente 100% conectados?

baby-smartphone

E a sua relação com o smartphone, como vai? Hmmmm, arrisco dizer que anda em constante lua de mel. Também arrisco dizer que frequentemente, você tira seu smartphone do bolso de cinco em cinco minutos (senão menos) pra checar alguma coisa.

Mas ei cara, vamos lá, você sabe que não há notificações e nem nada de novo na tela principal. Mas mesmo assim, você vai lá, coloca sua senha e desbloqueia o device pra simplesmente, não ver N-A-D-A. Aí, coloca no bolso novamente e aguarda o novo ciclo. É, você já não admite mais ficar parado olhando para as pessoas. Já reparou? Onde fica a contemplação? E aquele respiro para a sua mente?

COMPORTAMENTO PADRÃO

Esse é o comportamento padrão da maioria de usuários de smartphones do planeta. Eu, você e seus amigos sabemos disso. E isso é algo muito sério. Falamos sobre frequentemente mas raramente tomamos alguma atitude. Simplesmente porque agimos por impulso e porque o smartphone é o novo cigarro. Smartphones são como a nicotina: você já deve ter pensado em maneirar o uso, mas sempre adia e tem plena consciência que a vida pode ter mais qualidade sem ele/ela.

Ok, você pode até achar que eu estou exagerando. Que estou aqui de #mimimi. Que sou contra os smartphones, a mobilidade e toda essa nova realidade. Não, eu não sou contra. Mas acredito na moderação. Pensa comigo: quantos happy hours que você foi recentemente e a metade das pessoas, pelo menos, ficava chegando notificações e tirando fotos pra compartilhar no instagram com aquele filtro maneiro? E o danado do Whatsapp? Esse simplesmente tem tornado as reuniões em empresas ainda mais tediosas do que sempre foram. O Whatsapp tem roubado a atenção das pessoas em reuniões importantes.

anxietyPeraí, também não precisa exagerar. Calma, tem jeito pra tudo!

Precisamos mesmo estar conectados 100% do nosso tempo? Precisamos ler o feed de notícias do Facebook pra ficar “por dentro”? Peraí, por dentro de que? Do último meme? Da última piada? Do último melhor vídeo das últimas duas horas, que todo mundo vai esquecer nos próximos 5 minutos? Aí alguém vem te perguntar sobre esse vídeo que, por algum motivo você não assistiu, e você responde que ainda não viu. O cara vai pensar: “Ih, esse aí tá por fora”. Aí você vai lá e posta um vídeo que achou super engraçado. Chega o hypster poser e dizer: “OLD. Só agora você viu isso?”. E daí que só agora eu vi isso? Tem prazo de validade agora? O vídeo deixa de ser vídeo depois que “todo mundo” vê?

A PULVERIZAÇÃO DA ATENÇÃO

E por aí vai. Toda essa onda de hiperconexão tem feito também com que simplesmente passássemos a encarar a música como algo descartável. Já reparou? Primeiramente, hoje ouvimos música no metrô e em meio ao trânsito, sempre competindo com muito barulho. E quando você começa a ouvir o novo álbum do seu artista predileto e mesmo assim sente que precisa checar as notificações no smartphone? Você nem se deu conta e já se passaram três músicas incríveis que você mal ouviu. Mas sabe muito bem qual foi o último tweet do seu amigo, que falava sobre o “Rei do camarote” ou até mesmo de um meme do 9GAG.

Nossa atenção está cada vez menos concentrada e cada vez mais pulverizada. Isso tem gerado uma ansiedade absurda nas pessoas, criando uma geração que simplesmente não consegue mais apreciar nada que não tenha intervenção do smartphone. Pra tudo é necessário tirar foto. Seja da comida, do barzinho, do casalzinho. Tem que mostrar, tem que compartilhar, tem que ganhar likes, likes e mais likes. É a geração que anseia por atenção desesperadamente, sem dar valor a coisas mais sutis. Querem saber de tudo, mas esse saber tem a profundidade de um pires, pois “não há tempo” para ler mais sobre aquilo.

smartCara, essa é a pior hora pra checar os likes da sua foto no Instagram!

Já reparou que quando você fica sem internet em casa várias coisas acontecem e que quando você está com a internet menos coisas acontecem? A sensação é de que as outras pessoas estão vivendo 1001 experiências e você não. Quando você está sem internet, você procura ler um livro, assistir a um filme, ir pra rua andar com o cachorro, ligar para alguém, fazer uma comida especial, ouvir música em alto e bom som e acaba até descobrindo que era um bom desenhista e não sabia. As pessoas passam a conversar mais.

Quando você tem internet, é mais fácil ficar no Facebook do que fazer qualquer uma das coisas que mencionei aí em cima. Tudo parece trabalhoso demais quando você está no Facebook. Não me entenda mal. Tudo que estou escrevendo aqui é baseado em depoimentos de muita gente no dia a dia e em percepção das pessoas que estão a minha volta, sejam amigos ou pessoas que estão dividindo o mesmo vagão do metrô comigo. Eu nunca fui muito fã do Facebook. Sempre fui fã de agregadores de notícias, esse sim, meu ópio, minha nicotina.

O PODER DA CONTEMPLAÇÃO

E se começarmos a contemplar mais? Observar mais. que tal escutar aquele disco novo mais de uma vez, dando a chance de ele nos conquistar realmente? Vamos ouvir música em casa, com volume alto. Vamos deixar um pouco os fones de ouvido de lado e dar mais valor aos graves e as sutilezas sonoras. Música gosta de ser ouvida. Dedique tempo a ela. Ela vai te pagar com estado de espírito 🙂

E que tal deixar de lado também aquele blip da notificação do smartphone quando você está lendo um livro. Ele vai fazer com que você perca o fio da meada e, na sequência, largue o livro para talvez, nunca mais voltar a lê-lo. Ignore a notificação. Se for importante, vão te ligar. Deixe de lado a vibração do celular quando você está no cinema. Cinema é pra contemplar. Não ligue o celular. Aquela luzinha branca incomoda. Sempre há gente apreciando o filme e isso estraga a imersão.

baby and head-phonesDê atenção para a música. Feel the bass!

Dê tempo para o seu cérebro. Já reparou que todo mundo quer postar a sua opinião o mais rápido possível sobre algo que acabou de acontecer? Isso acontece não só porque as pessoas estão ávidas por atenção, mas porque não conseguem dar tempo para elas mesmo formarem uma opinião, já que “não há tempo” para ler a notícia de diversas fontes. Se demorar muito pra falar, o assunto esfria. Dá menos “likes”. Onde fica o engajamento? 🙂

BOB FALOU, BOB AVISOU

Você também não precisa ler todos os painés de LED no metrô, nem todos os tweets, nem todos os blogs, nem o news feed do “Feice” o tempo todo. Se a notícia for importante, você vai ficar sabendo durante a hora do almoço com o pessoal do trabalho ou, quando chegar em casa. Seus filhos, parentes ou esposa, provavelmente vão falar sobre. E qual o problema em ficar sabendo de algo pela TV?

Vamos pensar mais sobre as coisas que lemos. Se ficarmos o tempo todo namorando com o smartphone, nunca teremos tempo o suficiente pra pensar, pra formar uma opinião, pra desenvolvermos nosso raciocínio crítico.

Todas essas novas ferramentas estão aí e já mudaram para sempre a maneira como nos comunicamos. Mas precisamos aprender a como fazer o melhor uso delas para que não se tornem nossas inimigas.

Pegue leve. Fique tranquilo. Fique calmo. Compre uma vitrola and enjoy more music, “cause every little thing, gone be all right”. Marley sempre soube disso 🙂

Ps: O Shawn Parr, colaborador da Fast Company, falou sobre a experiência que teve quando ficou sem smartphone durante um período. Vale a pena ler o artigo com calma.

Ps2: Meu amigo Danilo (@dan_oliveira), escreveu um artigo semelhante no meu blog no ano passado. Também recomendo a leitura.


Rodrigo Cunha96 Posts

Publicitário, geek, louco por cinema, música, games, livros e boas idéias nas horas vagas e não vagas. Tem medo de fazer compras em NY e beber num PUB de Londres e nunca mais voltar.

8 Comentários

  • Milena Reply

    7 de novembro de 2013 at 14:25

    Mais uma vez, parabéns pelo artigo Cunha! Excelente análise da nossa realidade de alienados da vida offline para ficar “antenados” no que acontece online.
    Admito que boa parte de mim tem todos esses vícios.
    Tenho uma “amiga” no facebook que é sedenta por atenção! Cada passo que ela vai dar ela faz um post perguntando pros amigos a opinião, desde qual celular ela deve comprar, qual o melhor plano de internet, qual esmalte usar, qual corte de cabelo, qual cor de cabelo… até de quando engravidar! hahahaha E claro, tem as clássicas fotos duckface! Parece coisa de adolescente né? A mocinha tem quase 30! hahaha
    Mas de qualquer forma, me fez pensar bastante em mudar alguns maus hábitos 😉

    • Rodrigo Cunha Reply

      7 de novembro de 2013 at 18:01

      Oi Milena. Essa sua amiga do Facebook, pelo jeito, da pra utilizar como pauta em um outro artigo rs. Eu, infelizmente, ainda carrego muito desses costumes, talvez pelo deslumbre que estamos vivendo por conta dessas novas possibilidades em termos de comunicação. Mas vamos aprender como vive melhor 🙂

      bjs

  • Vinícius Toledo Reply

    7 de novembro de 2013 at 17:48

    Realmente estamos perdendo a nossa individualidade, temas que eram regionais se tornam globais em questão de segundos.
    Só uma coisa a dizer sobre isso tudo: “Eu temo o dia em que a tecnologia ultrapasse nossa interação humana, e o mundo terá uma geração de idiotas” Albert Einstein.

  • Rodrigo Cunha Reply

    7 de novembro de 2013 at 18:04

    Vinícius, a nossa individualidade já foi pro espaço há tempo rs. E parece que os teens se importam ainda menos com ela, fazendo questão de mostrar a vida que vivem em tempo real, como bem disse a Milena logo acima. Sobre a sua citação, eu também temo que estejamos vivendo esse momento agora. Mas acredito que vamos aprender a superar o estado atual e a utilizar melhor a tecnologia a nosso favor.

    abs

  • Harry Reply

    29 de novembro de 2013 at 13:49

    Adorei esse artigo! Parabéns Rodrigo.
    Existe uma classe de pessoas, que não tem nada a fazer e que de uma forma incrível não consegue se “LIBERTAR” Rss, é verdade falo isso pois já passei pela a fase da “GeraçãoY”. Seria uma boa, um artigo que desse dicas do que fazer quando não se há absolutamente nada a fazer, antes que essas pessoas entrem em depressão, brincadeirinha. Obrigado

  • Rodrigo Cunha Reply

    2 de dezembro de 2013 at 16:52

    Olá Harry. Fico feliz que tenha gostado do artigo. A ideia da lista é uma boa, sugestão anotada 🙂

    Um abraço.

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register