5 dicas para você lidar melhor com o sentimento de culpa

A culpa não é minha!

Lidar com os próprios sentimentos, para alguns homens, pode ser muito complicado, independente de qual seja. Uma das principais dificuldades do homem é lidar com os próprios sentimentos de culpa, ou seja, o sentimento de culpar-se por algo. Em alguns casos, algumas pessoas tendem a sentir-se culpadas mesmo quando a culpa de algo não necessariamente é delas. Elas acabam agregando essa culpa para si. Isso faz com que o sentimento seja o mesmo de quando a culpa é realmente da pessoa, trazendo as mesmas consequências.

Lidar com a culpa pode não ser tarefa fácil, mas existem algumas reflexões que podem ser feitas para que esse sentimento seja amenizado. Pensando nisso separei algumas dessas reflexões visando diminuir as consequências negativas desse sentimentos.

1) Entenda o que é este sentimento.

O sentimento de culpa surge de seus pensamentos acerca de uma situação especifica. Pode ser uma situação real (um acontecimento) ou uma situação imaginada. Ambas são passiveis de fazer com que esse sentimento apareça. A forma como você pensa a situação, principalmente as consequências dessa situação (que na maioria das vezes é uma consequência negativa) pode fazer com que você sinta-se responsável por essa consequência, levando, então, ao sentimento de culpa por ela ter acontecido.

Juntamente com o sentimento de culpa existem outros sentimentos que podem emergir, como a insegurança, o sentimento de fracasso, a desmotivação e o medo das consequências futuras. Perceber como você está pensando a situação, é entender como esse sentimento surge.

2) Reflita sobre a veracidade dessa culpa.

Agora que o entendimento da culpa está presente, faz-se importante refletir acerca da veracidade dessa culpa. Isso significa pensar a respeito de quão verdadeira, ou não, pode ser essa culpa. Muitas pessoas sentem-se culpadas pois acreditam que poderiam ter agido de uma maneira diferente em determinada situação ou que, se tivessem escolhido as coisas de uma maneira diferente, a situação em si não teria ocorrido. Fazer isso é potencializar a culpa e aceitá-la como somente sua.

Tente perceber todos os elementos da situação e quais são as chances reais da culpa ser realmente sua. Por exemplo, uma pessoa que sempre teve o mesmo tipo de comportamento e por causa desse comportamento faz surgir uma situação negativa na qual sente-se culpada por ocorrer. Ela pode pensar que se tivesse agido de maneira diferente a história teria sido diferente. O problema é que ela esquece de pensar que o comportamento dela foi sempre o mesmo, apenas aconteceu algo negativo (sendo que antes jamais havia acontecido).

culpa

3) Procure por outros motivos dos acontecimentos.

Agora que você já fez um reflexão acerca dessa culpa, é importante buscar outros motivos para que o acontecimento negativo tenha ocorrido. Geralmente a pessoa que culpa-se por algo, aceita a culpa e a si mesmo como o fator principal de o acontecimento negativo ter ocorrido. Dessa forma, para amenizar este sentimento, faz-se necessário perceber quais outras situações influenciaram para que o acontecimento causador desta culpa ocorresse.

Isso não significa que você irá colocar a culpa no outro, muito pelo contrário. Na verdade você estará ampliando sua consciência a respeito do acontecimento, percebendo-o de uma maneira diferente, buscando outras causas prováveis para ele. Essas causas podem, ou não, estar ligadas a você. Refletir sobre isso significa perceber as situações e a você mesmo de uma forma não automática e mais assertiva.

4) Entenda que você não pode controlar tudo.

Pessoas que costumam sentir-se com muita frequência culpadas pelos mais diversos tipos de acontecimento (alguns que nem estão envolvidas diretamente), geralmente acreditam que tem a capacidade de controlar tudo e que a responsabilidade das coisas é somente delas. Geralmente são pessoas com dificuldades em trabalhar em equipe, dividir tarefas, preferem que as coisas seja feitas de sua maneira.

Portanto, amenizar a culpa significa também ter a consciência de que você não é responsável por todos os acontecimentos a sua volta, tampouco é responsável pelos outros ou pelos comportamentos dos outros. É preciso entender até onde vai o seu limite, quais são suas verdadeiras responsabilidades e principalmente perceber que você não está no controle de tudo. Para algumas pessoas esse pensamento pode ser desesperador, sendo portanto um sintoma que deve ser melhor examinado.

5) Aceite a culpa.

Em algumas situações a melhor maneira de amenizar a dor da culpa, lidando melhor com a mesma, é aceitá-la. Não estou dizendo para aceitar a culpa como somente sua, como se você fosse o único culpado por algo. É preciso aceitar que você tem uma parcela da culpa dos acontecimentos e que você contribuiu de alguma maneira para aquilo ocorrer. Dessa forma o comportamento de evitar a culpa ou fingir que ela não existe (a pessoa sofre os sintomas mas acredita que é por outra coisa) é amenizado, assim como a própria dor.

Aceitar a sua participação na culpa é refletir sobre ela e entender tudo o que ocorreu na situação e até mesmo perceber que poderia ter sido diferente, mas com a consciência de que ocorreu dessa forma. Assim fica mais fácil também encontrar algum desenvolvimento pessoal nesse processo, pois você poderá entender o que ocorreu, entender sua culpa e refletir sobre como modificar isso para fazer diferença em uma outra situação.

É preciso ter em mente que em alguns casos a culpa pode ter uma consequência negativa, principalmente para o desenvolvimento e para o amadurecimento psíquico. É preciso entender, enfrentar e aceitar a sua culpa para que essas questões sejam melhor trabalhadas e superadas.


Leonardo Luchetta549 Posts

É psicólogo e redator de conteúdos. Escreve, reflete e pesquisa sobre os mais variados temas. Não considera a escrita como trabalho, mas uma necessidade da alma.

0 Comentários

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register