Tremer de frio emagrece até 6 vezes mais do que exercícios físicos

Tremer de frio emagrece até 6 vezes mais do que exercícios físicos

Aproveite que o inverno já está chegando para passar um pouco de frio. É isso mesmo, segundo uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Sidney (Austrália), tremer de frio pode emagrecer até 6 vezes mais do que exercícios físicos.

Segundo os pesquisadores, tremores de frio e turnos de exercício moderados são igualmente capazes de estimular a conversão da “gordura branca”, que trabalha no armazenamento de energia, em “gordura marrom”, que estimula a queima de energia. Cerca de 50 gramas de gordura branca alojam mais de 300 quilocalorias de energia. A mesma quantidade de gordura marrom pode queimar até 300 quilocalorias por dia.

O endocrinologista Paul Lee, do Instituto Garvan de Pesquisa Médica, recentemente realizou o estudo no Instituto Nacional de Saúde (NIH), em Washington, que foi publicado na revista “Cell Metabolism”. Seu trabalho descobriu uma maneira pela qual a gordura e o músculo se comunicam entre si através de hormônios específicos, transformando células de gordura branca em células de gordura marrom para nos proteger contra o frio.

Lee mostrou que durante a exposição ao frio e ao exercício, os níveis do hormônio irisin (produzido pelo músculo) e FGF21 (produzido pela gordura marrom) subiram. Especificamente, cerca de 10 a 15 minutos de tremores resultaram em aumentos no Irisin equivalentes a uma hora de exercício moderado – ou seja, é só passar um sexto do tempo que você passaria malhando tremendo. No laboratório, irisin e FGF21 transformam células de gordura branca humanas em células de gordura marrom em um período de seis dias.

Todos nós nascemos com estoques de gordura marrom em torno de nossos pescoços, que é a maneira da natureza de ajudar a nos manter aquecidos quando crianças. Até poucos anos atrás, acreditava-se que isso desaparecia na primeira infância, mas agora sabemos que a gordura marrom está presente na maioria dos adultos – se não em todos. Adultos com mais gordura marrom são mais magros do que aqueles sem.

“A animação tem aumentado significativamente no campo gordura marrom nos últimos anos. Tal fato é devido a sua natureza de queima de energia, o que faz com que ela seja um potencial alvo terapêutico contra a obesidade e diabetes”, explica o líder do estudo. “Transformar gordura branca em gordura marrom pode proteger os animais contra a diabetes, a obesidade e gordura no fígado. Os níveis de glicose são mais baixos em humanos com mais gordura marrom”.

No presente estudo, Lee propôs compreender o mecanismo subjacente à ativação da gordura marrom. Já se sabia que as temperaturas frias estimulam a gordura marrom, contudo não estava claro como o corpo sinalizava a mensagem para suas células. O corpo pode sentir e transmitir mudanças ambientais a diferentes órgãos através dos nervos e hormônios. Sendo um endocrinologista, o cientista investigou os hormônios que são estimulados por ambientes frios.

“Quando estamos com frio, ativamos primeiro a nossa gordura marrom porque ela queima energia e libera calor para nos proteger. Quando essa energia é insuficiente, o músculo contrai mecanicamente, ou arrepia-se, gerando assim calor. No entanto, não sabíamos como músculo e gordura se comunicavam neste processo”.

Voluntários foram expostos a temperaturas de 18° a 12° C, até que estremecessem. Amostras de sangue foram extraídas para medir os níveis hormonais e os calafrios foram detectados por dispositivos especiais colocados sobre a pele, sentindo a atividade elétrica muscular. Os voluntários começaram a tremer perto dos 16° ou 14°, variando entre os indivíduos.

“Identificamos dois hormônios que são estimulados pelo frio, irisin e FGF21, respectivamente liberados pelos tremores musculares e pela gordura marrom. Esses hormônios aumentaram a taxa de queima de energia das células de gordura branca humanas em laboratório, e as células de gordura tratadas começaram a emitir calor – uma característica funcional da gordura marrom”, relata.

O aspecto intrigante do achado foi que o próprio exercício produz calor, então por que o exercício muscular inicia um processo que poderia gerar ainda mais calor?

Lee convidou os participantes do estudo de exposição ao frio a participarem de testes de exercício para comparar os dois processos. “Nós descobrimos que o exercício de uma hora em uma bicicleta em um nível moderado produz a mesma quantidade de irisin do que tremer de frio por 10 a 15 minutos”, conta.

Os autores especulam que o exercício poderia estar imitando os calafrios, porque há contração muscular durante ambos os processos e o irisin estimulado pelo exercício pode ter evoluído do ato de tremer de frio.

Apesar da brincadeira no começo do post, o pesquisador alerta para os perigos da exposição, prolongada ou não, ao frio excessivo. “É importante que, se quisermos nos expor ao frio, que seja uma exposição ao frio suave”, avisa.

Fonte: Hypescience.


Guilherme Cury1453 Posts

29 anos, blogueiro, publicitário e músico. Formado em Propaganda & MKT, é blogueiro há mais de 10 anos. Atualmente trabalha com conteúdo para internet e se aventura no mundo musical.

0 Comentários

Deixe um comentário

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register